#SessãoPopCorn: Enfim, Fallen Movie!



Após seis anos de espera, enfim, eu vivi para ver  Fallen Movie lançar nos cinemas brasileiros! Para quem não sabe, o filme lançou em todo o Brasil ontem (08) e eu não pude perder e assisti na primeira sessão que disponibilizaram ontem e... o que eu achei? Wow! Vou tentar fazer um post com 0% de spoilers, ok?! Hahaha Então, bora começar!

Data de lançamento: 8 de dezembro de 2016 (2h20min)
Direção: Scott Hicks
Gênero: Drama, Fantasia, Romance, Suspense
Nacionalidade: EUA
Distribuidora: Lotus Entertainment // No Brasil - H20 films
Roteiro: Kathryn Price, Michael Arlen Ross e Nichole Millard
Sinopse: Responsabilizada pela misteriosa morte de seu namorado, Lucinda Price (Addison Timlin) vai para um reformatório. Em Sword & Cross ela se aproxima de Daniel Grigori (Jeremy Irvine), sem saber que ele é um anjo apaixonado por ela há milênios, e também não consegue se manter afastada de Cam Briel (Harrison Gilbertson), outro que luta há tempos por seu amor.




Um das coisas que mais gostei do filme, foi a forma que eles fizeram um resumão da história no começo do filme, é muito bom para as pessoas que nunca leram o livro. Sabe aquela sensação chata de quando você vai assistir um filme e passa a maior parte do tempo "boiando", sem entender nada?! Isso não acontece no filme. Achei isso fantástico, pois a maioria das adaptações não conseguem fazer isso, muitas vezes assisti filmes adaptados de livros com pessoas que não tinham lido e muitos me perguntavam o que estava acontecendo e tal, e isso, não aconteceu com Fallen. A forma que foi feita a narrativa - explicando o que aconteceu com Lucinda para ela ter parado na Sword&Cross ou o que eram as sombras -,   não afetou o enredo da história, pelo contrário, deixou mais intenso - pelo fato dos flashbacks.
Ahhh, os flashbacks... posso dizer que foram as cenas que mais amei. Tem uma cena que me arrepiou e me deixou vidrada, sem conseguir piscar. Foi tão intenso, tão tocante, que meus olhos lagrimejaram. Não vou dizer como foi o momento, pois tenho certeza de que quando vocês assistirem irão saber. Só vou dizer que foi a cena do esgrima! (Sim, tem esgrima na Sword&Cross. E não foi um spoiler, vai... haha)
Arriane, Gaby e Roland
Outra coisa que gostei bastante foram os efeitos especiais e a fotografia do filme. Não está perfeito nível Avatar da vida, haha Mas pelo fato do filme ter sido feito com baixo orçamento, os efeitos visuais ficaram ótimos, eles conseguiram trazer o gótico que foi descrito nos livros, ficou muito bonito de se ver, eu fiquei encantada.  E as asas? Muita gente odiou, pelo fato de não ter as penas e ser... como explicar isso?! Meio que luzes... Eu faço parte das pessoas que gostaram, não só por eu ser fã da série de livros, mas sim pelo efeito das luzes, a diferença das cores - as do Daniel são brancas e as do Cam parecem fogo - e o fato de ser diferente de qualquer asa que já vi, isso deu um toque a mais.



Sobre a atuação dos atores, tenho que dizer que me surpreendi. Addison Timlin interpretou super bem a Lucinda, amei o jeito que ela incorporou a personagem. Jeremy Irvine tem cara de anjo e como Daniel?! Não poderia ter outro melhor, as feições de sofrimento que Jeremy fez na maior parte do filme ficou tão Daniel, que me encantou de verdade. Senti falta da Ariane (Daisy Head), para vocês terem uma ideia, achei que a Molly (Sianoa, diva!) - que por sinal, teve um papel super bem elaborado no filme -  apareceu mais que ela. Isso me deixou um pouco chateada, porque gente, estamos falando da (desculpe pelas palavras chulas) personagem "fodona" e "porra louca" do livro! Eu senti falta dela. Agora, quem roubou a cena e me deixou completamente apaixonada e suspirando foi Harrison Gilbertson! Gente, o que foi a atuação dele?! Eu já esperava que ele seria um ótimo Cam, porque a cara de mal dele é inegável, mas gente! Ele não tem só um ar de bad boy, mas ele é absurdamente sexy! E não foi só isso, parecia que o Cam das páginas estava lá! Era ele, completamente irresistível, cheio de lábia e incrivelmente encantador! Eu já era apaixonada pelo Cam, agora eu fiquei loucamente obcecada por ele! Haha Obrigada, Harrison <3



Como nem tudo é perfeito, eu tenho que citar alguns pontos que achei negativos. Um coisa que me deixou meio que incomodada foi que, pra mim, teve mais cenas Cam e Luce do que Daniel e Luce. Isso realmente me deixou incomodada. Não foram cenas exageradas, nada forçado, pelo contrário, caíram super bem no filme. Não achei ruim o fato de ter Lucam, eu até gostei, mas meu incomodo foi mais pelas pessoas que não leram o livro.  Quero dizer, se eu não tivesse lido o livro e tivesse assistido o filme, pelo o que eu vi nas cenas, eu acho que eu teria torcido pra Luce ficar com Cam. E não é nem pelo fato de terem colocado um triangulo, porque gente, vamos ser sinceros, quem leu o livro,  sabe que teve triangulo sim, pelo menos no início (eu mesma no começo do livro torcia um pouco por Lucam haha), as coisas só foram ficando claras de que realmente não tinha um triangulo no final do livro. Então, pessoas que dizem que não tem triangulo, me poupe, vocês me cansam... Mas enfim, teve muita cena Lucam, não tem como negar, mas Luciel é vida e as cenas que tiveram, foram de deixar qualquer um encantado!
Outra coisa, infelizmente, eu tenho que dizer isso: teve sim uma cena que lembrou Crepúsculo. Não de uma forma ruim, mas tem uma cena que a Luce entra na sala de aula e mostra ela e o Daniel se encarando, ficou parecida com a cena que a Bella entra na sala com aquele lance do ventilador e tal. Porém, só essa cena que me lembrou e tenho certeza que foi jogada dos roteiristas.Tirando esses dois pontos e o fato de não ter duas cenas que eu queria muito que tivesse, o filme ficou lindo e digno de ganhar continuação! De uma escala de 0 a 10, eu dou 9! Ficou lindo demais e para ser sincera, já estou marcando pra assistir outra vez! Haha



E pra finalizar, a trilha sonora! Amei as músicas e foram selecionadas e colocadas nas cenas certas! Espero que disponibilizem os nomes das músicas, porque não achei todas, só algumas, então, caso você que esteja lendo e já assistiu ou que vá assistir e descubra os nomes de todas, eu serei eternamente grata se você deixar os nomes no cometário! Hahaha
Enfim, para você que é super fã sugiro que vá de mente aberta, não que eu esteja dizendo que ficou diferente do livro, pelo contrário, ficou super fiel e ainda ganhamos cenas bônus - no bom sentido - que deu um toque a mais na história! E pra você que não leu os livros e que gosta de fantasia, anjos, suspense na medida certa e romance de arrancar suspiros, não perca seu tempo e corre já pro cinema para assistir! Você não irá se arrepender (:

Eu sou a pessoa mais feliz do universo, pois a espera realmente valeu a pena! <3

Confira o trailer:





Resenha: "O livro de Memórias", Lara Avery


O Livro De Memórias

Autora: Lara Avery
Editora: Seguinte
Título Original: The Memory Book
Gênero: Jovem Adulto / Literatura Estrangeira
Páginas: 392
Ano: 2016
Sinopse: Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.

Samantha Agatha McCoy, mais conhecida como Sammie, é uma garota de 17 anos, também conhecida como a melhor aluna de seu colégio e, ela sabe, e se orgulha disso.  Sammie é ambiciosa e a sua maior meta de vida é conseguir ganhar no torneio nacional de debate, ser a melhor oradora da turma quando se formar e, a maior de suas ambições: ir para Nova York e estudar na NYU - a universidade dos seus sonhos e se tornar uma das melhores advogadas de todos os tempos -, que por sinal, ela já foi admitida.
Sammie vive para os estudos, ela sabe que seu cérebro é seu ponto forte, já que ela não está nem perto  dos padrões de beleza definidos pela sociedade, o que na verdade, ela não dá a mínima, o que realmente lhe interessava era seu brilhante futuro.
Tudo estava correndo super bem,  até Sammie  descobrir que tem uma doença muito rara degenerativa conhecida como NP-C (Niemann Pick Tipo C), que aos poucos levará suas memórias, seus movimentos... e seu futuro.

Eu conseguia lidar com a parte da saúde, mas não tire o meu futuro. 


Com isso, Sammie decide não se entregar a doença e começa a escrever um diário para si mesma para poder preservar suas memórias e também para descrever cada etapa da doença, cada sentimento, cada medo e cada mudança.
Mesmo que Sammie entenda que essa doença é degenerativa, ela no início cria uma pequena esperança de pode se curar, já que essa doença costuma se manifestar quando se é bebê, não quando já se é praticamente adulta. Ela se agarra a esse fio de esperança e tenta viver sua vida como sempre: estudando. Ela não iria deixar uma doença acabar com seu futuro brilhante. Porém, conforme os dias vão se passando, Sammie começa a esquecer coisas mínimas, absurdamente pequenas, mas que fazem uma grande diferença para ela, já que é intitulada como a pessoa mais inteligente do colégio. E, essa perca de memória causa uma grande preocupação para os seus pais.

Não sei outra forma de expressar. E não gosto de não saber. NADA. Não gosto de não saber em geral. Eu deveria sempre ser capaz de saber.

Então, Sammie coloca na cabeça que quer mostrar para seus pais e, até mesmo para si mesma, que é capaz de fazer todas as coisas que eles acham que ela não é mais capaz de fazer - e viver. Completamente focada, com a ajuda de seu livro de memórias, que a faz se lembrar das coisas que fez e que ainda tem que fazer, Sammie começa a fazer coisas que jamais imaginou que um dia faria, como ir a festas do pessoal do colégio, se declarar para um garoto que sempre foi afim e recomeçar uma amizade há muito tempo esquecida, que agora se tornou completamente essencial em sua vida.

Às vezes a vida é só terrível. Às vezes a vida te dá uma doença estranha. Às vezes a vida é muito boa, mas nunca de um jeito simples.

O livro é narrado em primeira pessoa, sendo um relato diário de Sammie sobre sua vida para a sua "Sammie do Futuro", o que faz parecer que estamos lendo o diário de alguém.
O livro tem alguns pontos negativos, um deles foi que de início, achei a narrativa parada e meio complexa. Tive uma grande dificuldade para continuar a leitura. Para ser bem sincera, achei meio difícil engolir a Sammie no início. Completamente egoísta e mesquinha, não se importava com as preocupações dos seus pais, dos seus amigos, de nada. Simplesmente só se importava consigo mesma e o seu futuro, demorou algumas páginas para eu ser cativada por ela. Outro ponto negativo foi que achei o livro uma bagunça. Uma hora era Sammie narrando sobre o seu dia, depois passava para um e-mail, ou sms e às vezes tinha diálogos que eu fiquei meio perdida pra saber quem era quem. Porém, conforme ia virando as páginas, fui me "adaptando" a escrita da Sammie. Claro, foi exatamente isso que a autora quis passar, já que conforme os dias iam se passando, as condições da personagem iam se afetando, consequentemente, sua escrita também era afeta, o que achei legal, os erros de português, as palavras que ela não se lembrava como escrevia, seus lapsos de esquecimento resultando nas repetições de frases e palavras. E, justamente por esses relatos serem tão humanos e reais, que comecei a me sentir mais próxima da personagem.

A vida não é só uma série de conquistas.
Eu me pergunto quantas noites de filme perdi para estudar ou debater ou só reclamar. Não quero perder mais nenhuma. 

Esse livro me fez refletir. Me fez pensar como perdemos momentos com pessoas que realmente importam, por coisas tão insignificantes. Sammie com seu "Livro de Memórias" nos mostra como a vida é imprevisível e que  mesmo enfrentando uma tempestade, é possível encontrar no meio disso tudo um arco-íris. E, com a ajuda de personagens secundários como Maddie, Stuart, a família da Sammie e Coop, Sammie encontrou o amor e a felicidade, mesmo nos momentos mais dolorosos, que parecia ser impossível ser feliz, eles conseguiram trazer alegria quando ela não conseguia enxergar nenhuma.

Só tenho que dizer uma coisa [...] e não sei bem como dizer, mas estou olhando para o cabelo dele ao vento, que também sopra o meu, e não há música, só o som dos grilos e das folhas e dos pneus na estrada, e ele está falando para eu largar o celular, e é o que vou fazer, mas só me deixe escrever isso, só quero que se lembre disso, Sam do Futuro.

Quando recebi esse livro da editora Seguinte e li a sinopse, prometi a mim mesma que iria guardar o meu coração e não iria derrubar uma lágrima sequer. Porém, inevitavelmente, não consegui e me entreguei a emoção. Com um final intensamente agridoce, eu enfim, me senti completamente amiga de Sammie e de todos a sua volta.
Para quem gosta de leituras emocionantes com uma personagem completamente forte e que nos passa uma lição de vida imensa, eu indico de coração.





P.S: A capa é linda e eu fiquei absurdamente apaixonada e ainda vem com marca página! Coisa fofa <3
P.P.S: Enquanto eu lia, eu escutei compulsivamente a música "Don't Forget About Me" , da Cloves. Se quiserem escutar, coloquei aqui ↓↓


Resenha: "Dama da Meia-Noite (Os Artifícios das Trevas #1)", Cassandra Clare


Dama da Meia-Noite

Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Título Original: Lady Midnight
Gênero: Literatura Estrangeira / Fantasia
Páginas: 574
Ano: 2016
Sinopse: Em um mundo secreto onde guerreiros meio-anjo juraram lutar contra demônios, parabatai é uma palavra sagrada.
O parabatai é o seu parceiro na batalha. O parabatai é seu melhor amigo. Parabatai pode ser tudo para o outro mas eles nunca podem se apaixonar.
Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira.
Suas buscas levam Emma de cavernas no mar cheias de magia para uma loteria sombria onde a morte é dispensada. Enquanto ela vai descobrindo seu passado, ela começa a confrontar os segredos do presente: O que Julian vem escondendo dela todos esses anos? Por que a Lei Shadowhunter proíbe parabatais de se apaixonarem? Quem realmente matou seus pais e ela pode suportar saber a verdade?


Após cinco anos da invasão ao Instituto de Los Angeles - onde Sebastian Morgenstern junto de seus Crepusculares atacaram os Caçadores das Sombras para criar um exercito de Caçadores Malignos - a família Blackthorn e Carstairs nunca mais foram a mesma. Julian Blackthorn perdeu o pai para os Crepusculares, foi separado da irmã e do irmão mais velho e teve que se responsabilizar para criar os irmãos mais novos.
Emma Carstairs perdeu brutalmente seus pais, que foram assassinados, marcados por um ritual maligno e abandonados na beira do mar próximo ao Instituto e ela acredita ferozmente que os pais não foram assassinados por Sebastian Morgenstern, mas ninguém dos "grandões" acreditam. A Clave ignora, para poupar tempo e dor de cabeça, acham é birra da jovem, mas isso não impediu Emma de alimentar a sua sede de justiça.
Emma nunca conseguiu esquecer da morte dos pais e passou os últimos cinco planejando sua vingança, buscando pistas para encontrar o verdadeiro assassino e matá-lo com as próprias mãos. Até que alguns assassinatos estranhos começam a acontecer, todos ligados aos integrantes do Submundo, mas cada detalhe dos assassinatos lembram muito o dos pais de Emma, e só faz mais ela acreditar que o assassino de seus pais está de volta.
Emma ignora a lei e vai investigar no Mercado das Sombras e acredita que depois de cinco anos de busca, dessa vez irá conseguir descobrir quem foi que assassinou seus pais e principalmente, que irá acabar com ele.



" - Vingança não é família, Emma. Não é uma amiga e é uma amante fria." 


No Mercado das Sombras Emma percebe que as coisas são bem mais sérias do que ela imaginava e percebe que será uma tarefa perigosa, pois as fadas vai atrás dela no Instituto e, após a Guerra Maligna, as leis foram alteradas, onde os Caçadores não podem ajudar e muito menos se envolverem com as fadas, por causa da traição delas ao apoiar Sebastian Morgenstern. Porém, Emma persiste mesmo assim e acaba contando com a ajuda de Cristina e da família Blackthorn, que desde que seus pais morreram, passou a ser sua família também. 
O que eles não imaginavam era que essa investigação pelo mundo dos Submundos poderia envolve-los em um caso muito mais perigoso e misterioso, fazendo os infligir as leis da Clave de várias formas possíveis, pois as fadas querem -  tanto quanto Emma - descobrir quem é o assassino que anda matando os seres do Submundo, inclusive as fadas e fazem uma proposta a Emma e a família Blackthorn: oferecem a liberdade de Mark Backthorn - que é metade Caçador das Sombras e metade Fada, que foi levado pela povo da Caçada Selvagem. Agora, além de quererem descobrir o assassino por causa da Emma, eles têm de volta  Mark. E farão de tudo para mantê-lo finalmente em casa.


"Há amor aqui entre vocês. Tanto amor que fico até sem ar. Há até amor sobrando para mim." - Mark Blackthorn. 

No meio dessa crise toda, Emma e Julian - que são Parabatais - se aproximam cada vez mais, um ajudando o outro, seus laços se intensificando e ficando cada vez mais forte. Ser Parabatai é uma ligação que os fazem, de certa forma, um só. Um sente a dor do outro e quando um iratze (runa de cura) ou qualquer outra runa é aplicada por seu Parabatai, o resultado é bem mais forte, eficaz e mais rápido. E, essa aproximação acendeu um sentimento completamente intenso entre eles, que faz ambos ficarem assustados de como esse amor  "suga todas as suas forças". Porém, viver esse amor é impossível, já que pela lei da Clave, Parabatais não podem se apaixonar e, essa é uma das leis mais severas da Clave com uma punição mais severa ainda.  Emma e Julian têm que esconder seus sentimentos e controlar os seus instintos de quererem estar um com o outro. Além de seus sentimentos, eles estão mais perto de chegar no assassino, porém, consequentemente, algo bem mais sinistro virá junto. 


As pessoas superam corações partidos, e você é forte o bastante para superar isso mil vezes . Mas Julian não é uma pessoa que pode tocar seu coração. Pode tocar a sua alma. E existe uma diferença entre ter o coração partido e a alma estilhaçada.

A narrativa segue igual aos livros anteriores da maravilhosa Cassandra Clare, é narrado em terceira pessoa e temos o ponto de vista não só de Emma, mas de alguns personagens também. O que deixa o desenvolver da narrativa mais gostosa de se ler. E, quando disse que a Cassie é maravilhosa, é pelo simples fato dessa mulher conseguir continuar abordando o mundo dos Caçadores das Sombras sem ser repetitivo e muito menos cansativo, mas sim, de uma forma que te deixa animada e louca de curiosidade para saber o que vai acontecer. Uma das coisas que deixaram o livro mais interessante, foi o fato de a Cassie nos apresentar mais desse mundo dos Parabatais, nos mostrando como essa conexão funciona e o fato de ela nos mostrar mais sobre o mundo das fadas, principalmente a Caçada Selvagem. E, mesmo se tratando do meus mundo, Cassandra Clare conseguiu nos levar para uma nova história, com vilões novos, amores impossíveis e mistérios que te envolvem completamente. 


- Leis não signficam nada, menino - disse Malcolm, com uma voz baixa que mesmo assim ressoou. - não há nada mais importante do que o amor. E nenhuma lei superior. 

Como todo bom livro da Cassandra, seus personagens são incríveis, com personalidades únicas e cada um com seus dilemas - que Cassie nos apresenta de uma forma tão intensa, que não tem jeito, simplesmente acaba nos encantando. E, o melhor de tudo, Cassie acaba  matando a nossa saudade de personagens queridos, como os casais Clary e Jace, Izzy e Simon e Magnus e Alec... Cinco anos se passaram depois do livro "Cidade do Fogo Celestial" e temos a oportunidade de saber como estão esses personagens queridos! Amei saber sobre eles e eu fiquei tão feliz e suspirando com algumas coisas, que espero de verdade que no próximo livro dos Artifícios das Trevas, Cassie nos conte mais sobre eles também, já que ela deixou em aberto um assunto no capítulo extra que me deixou absurdamente curiosa! (Sacanagem, tia Cassie!!

Os Artifícios das Trevas tem tudo para estourar como Os Instrumentos Mortais, com um enredo envolvente, batalhas sangrentas, mistérios e um amor proibido completamente intenso e apaixonante... Essa trilogia tem tudo para dar certo! Eu amei e não vejo a hora de ler a continuação.



P.S: Enquanto eu lia, eu escutei "Chasing All the Star", da Fleurie e achei a música a CARA da Emma e do Julian... Se vocês quiserem escutar, eu coloquei a música pra vocês aqui no post! Confira:






#FallenMovie: Data de lançamento do filme é adiantada e Lauren Kate vem para o Brasil!

Hey, anjos!
Ontem foi um dia de surpresas para os fãs de Fallen. Tudo começou, quando a página da Comic Con Experience confirmou a presença da Lauren Kate no dia 04 de dezembro. A H2O Films trará a autora para seu painel para falar sobre carreira e sobre a adaptação #FallenOFilme. Vai ter sessões de autógrafos com os fãs, porém os valores ainda não foram divulgados.
 Não preciso nem dizer que o twitter vibrou! Não só o twitter, mas todas as redes socias, os fãs foram a loucura!! (Eu estou inclusa também *wwww*)
Mas, tinha sido só o início...


Logo depois do anúncio, a página oficial do filme aqui no Brasil, Fallen O Filme, divulgou um vídeo que a Lauren pede para os fãs ajudarem na divulgação do filme (mais?!), e confirma o adiantamento da data do filme aqui no Brasil, que era dia 29 de Dezembro e agora, vai ser dia 8 de DEZEMBRO, ou seja, daqui a 19 dias!!!! Confira o vídeo da Lauren:


E ai, o que acharam? Ansiosos como eu? Preparados para, enfim, assistirem o tão aguardado filme? Para quem não sabe, Fallen já foi lançado nas Filipinas e teve bastante críticas positivas! Então, só resta a gente esperar mais 19 dias para finalmente, finamente, ver essa belezura!

Beijos,
Ana Gomes xx

**ATUALIZADO**

Confira o trailer dublado:


O que acharam? Não que eu esteja puxando o saco e tal, mas achei que a dublagem ficou boa... E olha que é super difícil me agradar com dublagem! (Sou fã de filmes legendados)
Mas enfia, agora é só esperar que já já o trailer irá passar nós cinemas e em comerciais de tv (assim espero, que os anjos digam amém!) ~~aguardando~~

Resenha: "Bonsai", Alejandro Zambra


Bonsai

Autor: Alejandro Zambra
Editora: Cosac Naify
Gênero: Literatura Chilena
Páginas: 96
Ano: 2012
Sinopse: Bonsai é a história de um amor, o de Julio e Emilia, e é a história do fim deste amor. É também uma história sobre a consciência do fim. E não apenas para Emilia e Julio, “jovens tristes que leem romances juntos, que acordam com livros perdidos entre as cobertas”, mas para nós, leitores, que na primeira linha desta história falsamente simples recebemos a notícia: “No final ela morre e ele fica sozinho”. Romance de estreia do chileno Alejandro Zambra (1975), Bonsai coloca em cena dois estudantes de Letras, suas leituras, encontros e desencontros. Com cortes precisos e apurado sentido formal, Zambra -- eleito pela revista britânica Granta como um dos vinte e dois melhores jovens escritores hispanoamericanos -- faz a trama avançar como se cultivasse um bonsai. Traduzido em dez países, entre eles França, Itália, China, Israel, Estados Unidos e Japão, Bonsai ganhou o Prêmio da Crítica e o Prêmio do Conselho Nacional do Livro como melhor romance de 2006 em seu país.

No final ela morre e ele fica sozinho, ainda que na verdade ele já tivesse ficado sozinho muitos anos antes da morte dela, de Emília.Digamos que ela se chama ou se chamava Emília e que ele se chama, se chamava e continua se chamando Julio. Julio e Emília. No final, Emília morre e Julio não morre. O resto é literatura. 

O mais legal desse livro é que logo no começo, o autor deixa bem claro que a mocinha morre e o mocinho fica sozinho. Quebrando de cara, qualquer expectativa de um final feliz. O que na verdade, me deixou bem curiosa pra saber o que ocorreu antes do fim.

O livro conta a história de Julio e Emília. Ambos, estudantes de Letras, que acabam se conhecendo "profundamente", quando se encontram pra estudar na casa de uma amiga em comum, uma matéria que todos acham que vão se dar mal. Porém, tudo rola - desde uísque a suco de laranja -,  menos os estudos. E, é no meio dessa bagunça disfarçada de estudos, que Julio e Emília se envolvem e começam a ter uma relação sexual extremamente peculiar. Após mentirem um para o outro sobre já terem lido "Em busca do tempo perdido", de Marcel Proust, antes de cada transa, eles liam um livro, às vezes em voz alta ou até mesmo sussurrando para "aquecer" a relação.
Até que eles leem "Tantalia", um conto de Macedonio Fernández, que afetou e mudou completamente a relação deles.

A extravagância de Julio e Emília não eram apenas sexuais (que existiam), nem emocionais (que eram muitas), mas também, digamos, literárias. 


Sabe quando você aleatoriamente acha uma obra que te surpreende? Então, foi isso que aconteceu comigo quando encotrei "Bonsai".
Tinha acabo um livro no dia anterior e fiquei meio que perdida na maionese, sabe aquela sensação de estar presa ainda no livro, tipo ressaca... Ai pensei, "Preciso de um livro leve e rápido, de preferência com umas 100 páginas, de boa, pra ler em um dia...", foi então que joguei quase isso no google e olhei um site aqui e outro ali e acabei me interessando pela sinopse e pela nomenclatura do livro e pensei na hora "Aeeeeee, é esse!!!", comecei na hora e fiquei completamente anestesiada.
O livro é narrado em terceira pessoa e é absurdamente curto (poderia até ser um conto de tão pequeno, mas é livro... ok, né).
Além de contar como Julio e Emília se conheceram, conta também o que aconteceu depois deles se relacionarem, envolvendo no meio disso tudo os personagem secundários. O que achei incrível no autor, foi que mesmo com poucas páginas ele conseguiu criar um enredo com personagens que se encaixam um ao outro, criando uma história super envolvente, que faz você querer ler até o final.

Pensa nela mesma, um dia, triste, mais desesperada do que agora. Pensa numa casa no Chile, em Santiago do Chile, num jardim dessa casa.
Um jardim sem flores e sem árvores que no entanto tem direito - pensa - de ser chamado de jardim, pois é um jardim, sem dúvida é um jardim.

Um dos pontos positivos do livro,  é que você consegue ler em uma ou duas horas ou até menos. O mais legal de tudo, que conforme eu ia lendo, parecia uma conversa, sabe?! Como se o  autor estive conversando comigo.
Como o livro é meio pequeno, o autor é bem objetivo e meio impessoal. Quem acompanha as minhas resenhas, sabe que eu sou meio chata e amo detalhes, porém a atmosfera que Zambra traz é completamente diferente. O autor não traz detalhes, eu não faço a minima ideia de como são os personagens, a não ser por ele citar que Emília tem os cabelos curtos e pretos. E, de certa forma, o livro não contém detalhes e características físicas, mas sim, um texto mais sentimental. Você consegue sentir que tem um toque mais poético e profundo.

Esta é, então, uma história leve que se torna pesada. Esta é a história de dois estudantes devotados à verdade, a dispersar frases que parecem verdadeiras, a fumar cigarros eternos e a se fechar na violenta complacência dos que se creem melhores, mais puros do que o resto, do que esse imenso e desprezível grupo que chamam de o resto.

O que me deixou bastante curiosa também, foi o nome do livro, "Bonsai". Claro que eu fui "googlar".
Eu não conhecia, não fazia ideia (desculpe, pela minha ignorância), que "Bonsai" é uma planta de origem japonesa, que é tipo uma "árvore no vaso" em miniatura. É uma replica realista, imitando os padrões originais. E, para você entender o simbolismo por trás do titulo, só lendo mesmo. Na verdade, acho que vai da interpretação de cada pessoa. Ao meu ver, representa a arte de saber cuidar e viver a vida.

Cuidar de um bonsai é como escrever, pensa Julio. Escrever é como cuidar de um bonsai, pensa Julio.

Quero terminar a história de Julio, mas a história de Julio não termina, o problema é esse.

Ao finalizar a leitura, confesso que fiquei curiosa para saber o que aconteceu depois do fim de Julio. Fiquei pensando, imaginando e idealizando coisas sobre ele... Estranho, porém gostei da sensação.
Enfim, "Bonsai" é um livro que fará você pensar e refletir sobre a vida. Pra você que quer uma leitura rápida, profunda e com uma narrativa inteligente, recomendo que você leia e se delicie. Além, claro, de acabar descobrindo (como eu haha) que a literatura chilena tem muito a oferecer!





Resenha: "P.S Ainda Amo Você", Jenny Han


P.S.: Ainda Amo Você

Autora: Jenny Han
Editora: Intrínseca
Título Original: P.S I Still Love You
Gênero: Infantojuvenil / Literatura Estrangeira
Páginas: 304
Ano: 2016
Sinopse: Lara Jean sempre teve uma vida amorosa muito movimentada, pelo menos na cabeça dela. Para cada garoto por quem se apaixonou e desapaixonou platonicamente, ela escreveu uma bela carta de despedida. Cartas muito dela, muito pessoais, que de repente e sem explicação foram parar nas mãos dos destinatários.
Em "Para todos os garotos que já amei", Lara Jean não fazia ideia de como sair dessa enrascada, muito menos sabia que o namoro de mentirinha com Peter Kavinsky, inventado apenas para fugir do total constrangimento, se transformaria em algo mais. Agora, em "P.S.: Ainda amo você", Lara Jean tem que aprender como é estar em um relacionamento que, pela primeira vez, não é de faz de conta. E quando ela parece estar conseguindo, um garoto do passado cai de paraquedas bem no meio de tudo, e os sentimentos de Lara por ele também retornam.
Uma história delicada e comovente que vai mostrar que se apaixonar é a parte fácil: emocionante mesmo é o que vem depois.

Após o final do livro Para Todos Garotos que Já Amei, Lara Jean precisa reconquistar o coração de Peter e tenta de todas as formas possíveis. Quando Lara Jean e Peter finalmente se acertam, eles começam - enfim -, um relacionamento de verdade. Tudo parece normal, porém fatos  passadas e algumas escolhas vão complicar a relação entre os dois. O que anda angustiando Lara Jean ultimamente, é o fato de Peter não se afastar da ex-namorada, Genevieve. Em todo tempo, ela os vê se encontrando, sempre tão próximos, que LJ se vê totalmente insegura em relação ao seu relacionamento com Peter. E, pra piorar tudo, o terrível incidente - que ocorreu no livro anterior - que envolveu um momento íntimo da sua vida com Peter, continua lhe atormentando e causando situações completamente constrangedoras no colégio e, Lara Jean tem absoluta certeza que foi causado por Gen. Disposta a descobrir e mostrar a Peter que Genevieve é a real culpada, ela percebe que Peter permanece defendendo Gen. LJ se vê em duvida com a sua posição na vida de Peter e quer entender o motivo de ele ainda permanecer tão próximo de Gen, porém, cada vez que os vê juntos têm medo de descobrir o motivo.
Mesmo entre altos e baixos na relação, Peter e Lara Jean entram em um novo acordo, dessa vez, ambos prometem um para o outro que nunca irão partir o coração um do outro.

"- Você está planejando partir meu coração, Covey? - Não. E tenho certeza de que você não está planejando partir o meu. Ninguém nunca planeja. - Então coloque isso no contrato. Peter e Lara Jean prometem não partir o coração um do outro."

Porém, algo acontece que surpreende totalmente Lara Jean, outro dos garotos que ela escreveu uma carta de amor responde a sua carta. E, eles começam a trocar cartas, uma atrás da outra. John chega aos poucos e, durante alguns capítulos, ele consegue deixar a LJ (e eu, por sinal) totalmente confusa. Ele estudava com a Lara Jean, mas teve que mudar de cidade. E, pra deixar as coisas mais enroladas ainda, ele é um dos melhores amigos de Peter e, também foi uma das primeiras paixonites de Lara Jean. Mesmo seu relacionamento indo bem com Peter, sim, eles permanecem bem, Peter é um fofo, atencioso e está sempre presente - tirando os momentos que ele corre para  atender a Gen. E John, é incrivelmente amável, inteligente e absurdamente intenso. Lara Jean está absolutamente perdida em relação aos seus sentimentos e o triângulo amoroso acontece de uma forma deliciosa deixando a cada virada de página a duvida de quem terá o coração de Lara Jean. 
"Às vezes, gosto tanto de você que não consigo suportar. É um sentimento que vai crescendo e crescendo dentro de mim, e parece que vou explodir. Gosto tanto de você que não sei o que fazer a respeito."


Além dos dramas amorosos de Lara Jean, ela precisa se dedicar ao seu currículo para futuramente poder entrar numa boa faculdade. Então, LJ decide entrar como voluntaria num asilo onde sua irmã se voluntariou antes de entrar na faculdade. E, nesse lar,  LJ conhece uma senhora chamada Stormy, que é uma mulher que viveu e vive intensamente a vida, curtindo cada momento, cada piscar de olhos. Completamente opostas, Stormy e Lara Jean acabam se tornando grandes amigas, cada uma vendo a vida de formar diferente, porém, Stormy com sua experiência de vida tão imensa, compartilha conselhos e momentos com LJ maravilhosos, deixando o ar da história mais interessante ainda.




"- Se apaixone por Peter se quiser, mas tome cuidado com seu coração. As coisas parecem que vão durar para sempre, mas não vão. O amor pode sumir, ou as pessoas, mesmo sem querer. Nada é garantido."

O livro é narrado em primeira pessoa e como o livro anterior, a escrita de Han é bem leve e fácil de se acompanhar, bem adolescente e divertido. 

Eu comecei o livro com uma saudade desses personagens que devorei o livro num final de semana. E, como vi várias resenhas dizendo que preferiram o primeiro livro, eu me surpreendi fazendo parte das pessoas que preferiram o segundo... Vou explicar o motivo. No primeiro livro, Lara Jean tinha 16 anos e agia como uma garota de 13, super infantil, porém uma fofa, haha. Não me entendam mal, eu acho a LJ um amorzinho, e amei o primeiro livro, e me vi muita na Lara Jean, parecia totalmente eu com uns 13 anos... Tá vendo, por isso, ela tem 16 e como já disse, age como uma garota de 13... mas em  P.S Ainda Amo Você, dá pra perceber muito o amadurecimento da personagem. Seus pensamentos, suas decisões, seus atos, estão bem diferentes da Lara Jean do primeiro livro. Também não estou dizendo que ela não faz (desculpe pela palavra chula) "cagada", porque ela faz e muita. Mas, seus atos são mais maduros, de certa forma.


"Eu sei agora que eu não quero amar e ser amada em pequenas medidas. Eu quero tudo, e para ter tudo você tem que arriscar tudo."

A tacada do triângulo amoroso foi super bem recebida pra mim. Não ficou aquela coisa chata e irritante, mas sim uma coisa espontânea. Apenas um resultado das cartas enviadas. Conforme eu ia lendo, eu sentia a mesma dúvida que Lara Jean estava sentindo. É completamente compreensível, já que John e Peter são completamente apaixonantes... Porém, é bem visível que Lara Jean e Peter se amam, que eles funcionam super bem juntos, mas existem situações que - como em todos os relacionamentos - acontecem e eles têm que resolver juntos. Não é uma tarefa fácil, mas através do sentimento que um sente pelo outro, eles irão encontrar um jeito de solucionar o problema... Eles são tão fofos, são aquele tipo de casal que te deixa com vontade de ter um relacionamento igual ~~ suspiros ~~
E o John?! É um garoto radiante e absurdamente fofo... Jenny Han, você é má, qual a necessidade de personagens tão apaixonantes?! 
 Se preparem, pois em vários momentos a autora vai mexer com o seu psicológico. Pelo menos, foi assim comigo. Abalou geral, haha.

"Tem uma palavra coreana que minha avó me ensinou. Jung. É a ligação entre duas pessoas que não pode ser rompida, mesmo quando o amor vira ódio.Você ainda alimenta sentimentos antigos por aquela pessoa; sempre vai sentir carinho por ela."

Um fato interessante do livro, é que conhecemos mais ainda alguns personagens, principalmente a Genevieve. Sim, ela é um pé no saco (desculpe de novo pela palavra), mas nesse livro conhecemos mais a amizade das duas ( Lara Jean e Gen) e entendemos o motivo de tanto ódio no coração de Gen. Fiquem calmos, vocês não vão cair de amores por ela.  Eu não me cativei pela Gen, mas fiquei bem surpreendida e um pouquinho tocada, mas nada que façam mudar sua opinião dela (ela é realmente um pé no saco), mas vocês vão ver. Além dela, conhecemos personagens novos como a Stormy (que já citei) e o John e conhecemos ainda mais personagens antigos, como a Kitty (irmã mais nova da LJ), que é um amorzinho, e é de longe, a minha personagem preferida, mesmo sendo tão novinha, ela é tão inteligente, dona das melhores ideias, os seus diálogos são os melhores - como pode ser tão fofa?!  Também temos o pai da Lara, a vizinha da família Song que é super fofa e, a amiga maluquinha da LJ, Chris. Margot aparece, mas não tanto assim e Josh também não é tão citado nesse livro, infelizmente. Mas mesmo assim, Jenny Han desenvolveu personagens bem construídos, alguns cativantes e outros divertidos, deixando a história com um toque a mais.

"Você pode quebrar meu coração. Faça o que quiser com ele."Eu coloco minha mão em seu peito, sobre seu coração. Eu posso sentir bater. Eu deixo minha mãocair. Seu coração é meu, só meu. Eu acredito agora. Meu para proteger e cuidar, meu para quebrar.Portanto, muito do amor é acaso. Há algo assustador e maravilhoso sobre isso.

Mesmo que algumas pessoas não tenham gostado, P.S Ainda Amo Você foi um livro necessário. Amei cada momento, cada duvida e descoberta da Lara Jean, seu amadurecimento e principalmente suas escolhas. O nome do livro diz tudo: é dar novas chances ao amor, é persistir quando ainda se ama. Uma delicinha de livro. Não vejo a hora de ler o terceiro e último livro da série, que tem previsão para abril de 2017.






#FallenMovie: Estreia do filme no Brasil será em Dezembro!!



Olá, anjos!
Trago hoje a melhor notícia da semana: Fallen finalmente foi confirmado aqui no Brasil! **dando saltinhos e pulinhos de alegria**
E o melhor de tudo, ainda sai este ano, mais especificamente em DEZEMBRO, ou seja, daqui a dois meses!! Santo Trono, não estou acreditando ainda, alguém pode me beliscar??!!

Conforme a Lauren Kate publicou em suas redes sociais (twitter e facebook), o longa vai estrear dia 1º de dezembro.
A distribuidora aqui no Brasil é a H20 films, eles informaram que Fallen tem duas datas possíveis de estreia: 1º de dezembro, como foi confirmado pela Lauren, e o dia 29 de dezembro.
A data ainda não está fechada, mas tudo indica que será dia 29 para ter o tempo certo para divulgarem o material publicitário do filme.



Anjos, bora ficar tranquilos, que de qualquer forma de dezembro não passa, não é mesmo?! Se já foi confirmado pela distribuidora aqui no Brasil e pela própria Lauren Kate, então é só esperar mais dois meses e veremos o tão esperado filme. E, pra quem esperou anos, o que são dois meses?! Ha-ha

E, pra quem não viu ainda, ou se já viu, veja de novo... Deixo pra vocês esse maravilhoso trailer <3




E aí, estão ansiosos??
Um super beijo,
Ana Gomes xx

Playlist da Semana: O que ando escutando...


Olá, amores!
Como vai vocês?
Faz tempo que não trago essa TAG aqui no blog, então resolvi trazer o que andei escutando essa semana, para ser mais exata, o que andei escutando compulsivamente esse mês. Que por sinal é Outubro. É o quê minha gente?! Outubro, é isso mesmo?! Faltam dois meses para acabar 2016?!? Eu to chocada. Esse ano voou. Passou num piscar de olhos! E tanta coisa aconteceu. Coisas boas e ruins, alegres e agridoces, surpresas e despedidas, abraços e gargalhadas... Ai, ai... Enfim, tanta coisa aconteceu e ainda irão acontecer, claro, ainda faltam 71 páginas para acabar o ano. E, como todo fim de ano me deixa  nessa vibe pensativa, melosa e desesperada para fazer o possível para deixar o ano memorável... Peço já desculpas, mas separei umas músicas (como diz as minhas amigas) beeeeem down e dark... O que acho uma blasfêmia! Elas que têm mal gosto e não gostam de um bom Rock com um instrumental de arrepiar ou de um Folk maravilhoso.., Fazer o que gente, eu gosto tanto de músicas assim, faz parte de mim haha <3 O bom é que tem gente que gosta e não estou sozinha nesse mundão! **Uhuuul**

Confiram agora, na integra (haha), meus vícios do mês *-* :

1. Cleopatra -The Lumineers 


2. My Dead Body - Lowly Spects


3. Eyelids - PVRIS 


4. Bring Me Back to Life - Extreme Music


5. Salvation - Gabrielle Aplin


6. Hurt Like Hell - Fleurie 


7. Medicine - Broods



8. War of Heart - Ruelle


9. Fear on Fire - Ruelle


10. Walls - Kings of Leon


11.  The Love We're Hoping For - Jake Bugg


12. Storm - Ruelle


13. I've Got to Love You - Ruelle 


14. Silent Runnig - Hidden Citizens




A maioria das músicas escutei em séries, (ok, nessa lista só tem praticamente de Shadownhunters), ou escutei no Spotify ou simplesmente são de bandas que acompanho há um bom tempo, que lançaram cds recentemente como Kings of Leon, Jake Bugg e The Lumineers. Ruelle e Fleurie foi uma descoberta maravilhosa, estou num momento viciada nas duas! <3
Pra vocês terem noção do quanto estou viciada nessas músicas, essa playlist foi feita pelo meu próprio celular! Fui ver a lista de mais tocadas e deu essa playlist maravilhosa! E ai, o que acharam? Vocês já escutaram alguma?
Enfim, é isso meus amores, espero que tenham gostado ^-^

Um beijão,
Ana Gomes xx


Resenha: "O Acordo", Elle Kennedy


O Acordo

Autora: Elle Kennedy
Editora: Paralela
Título Original: The Deal
Gênero: Literatura Estrangeira/Romance/New Adult
Páginas: 360
Ano: 2016
Sinopse: Tocante, profundo, engraçado, sexy... ''O Acordo" é um romance que vai te encantar e surpreender a cada página.
Hannah Wells finalmente encontrou alguém que a interessasse. Mas, embora seja autoconfiante em vários outros aspectos da vida, carrega nas costas uma bagagem e tanto quando o assunto é sexo e sedução. Não vai ter jeito: ela vai ter que sair da zona de conforto Mesmo que isso signifique dar aulas particulares para o infantil, irritante e convencido capitão do time de hóquei, em troca de um encontro de mentirinha.
Tudo o que Garrett Graham quer é se formar para poder jogar hóquei profissional. Mas suas notas cada vez mais baixas estão ameaçando arruinar tudo aquilo pelo qual tanto se dedicou. Se ajudar uma garota linda e sarcástica a fazer ciúmes em outro cara puder garantir sua vaga no time, ele topa. Mas o que era apenas uma troca de favores entre dois opostos acaba se tornando uma amizade inesperada. Até que um beijo faz com que Hannah e Garret precisem repensar os termos de seu acordo.




Hannah passou por um imenso trauma na adolescência e por causa das terríveis e atormentadoras recordações, ela acaba saindo da cidadezinha que morava para começar uma nova etapa da sua vida, cursar a universidade. 
Hannah cursa música, sua vida é cantar, foi através da música que se recuperou do trauma. Mesmo com as lembranças excruciantes do passado, Hannah consegue seguir sua vida super bem, está completamente apaixonada pelo o mais novo jogador de futebol americano, Justin. Ambos fazem a matéria de Ética juntos, mas infelizmente ele nunca a notou. O maior problema de Hannah é que ela não leva muito jeito pra puxar assunto com os caras em geral e com Justin não é difefente, a única coisa que fez em dois meses foi acenar para o ele. Entretanto, tudo muda quando Hannah simplesmente gabarita a prova de Ética, onde a maioria da turma tirou nota abaixo da média. E, Garrett Graham é um deles.  


Minhas ideias clareiam e meu coração fica mais leve quase que imediatamente. Eu me sinto inteira de novo, porque a música tem esse efeito sobre mim [...] Sempre que as coisas ficavam pesadas ou dolorosas demais, eu ia para o piano ou pegava o violão e sabia que a alegria não estava tão fora de alcance.


Garrett é o capitão do time de hóquei, também conhecido como o cara mais lindo, sexy, desejado (delicioso haha) e amado por todas as garotas da universidade. Ele está com um problemão, para continuar sendo o capitão do time e continuar com seu projeto de ingressar na liga profissional de hóquei, ele precisa manter suas notas acima da média, porém foi absurdamente mal na prova de Ética. Por ironia do destino, Garrett acaba esbarrando com Hannah e descobre que ela tirou dez na prova e faz uma proposta para ela, pedindo que  seja sua professora particular, mas Hannah o ignora e não dá a mínima para ele. Mas, Garrett é o cara mais persistente da face da terra e começa a perseguir Hannah e pretende persegui-la até que ela aceite a sua proposta. Até que Hannah acaba desistindo e aceitando ser sua professora, mas em troca, Garrett terá que ajuda-la a ter um encontro com o Justin. Com o acordo feito, ambos começam a se conhecer e Hannah percebe que Garrett não é nada do que ela imaginava - um jogador de hóquei que se sente o rei do pedaço -, mas sim um cara inteligente, engraçado e totalmente atencioso. E, de uma hora pra outra, ambos se envolvem de uma forma tão intensa, que não sabem definir o que está acontecendo e muito menos o que estão sentindo.


Seu sorriso se amplia, e meu peito rompe.Sei, neste momento, que estou encrencado.Concordei em ajuda-la não só porque sou seu amigo, mas porque sou um homem. [...] Mas, neste momento, tudo o que quero é que essa menina sorria assim pra mim de novo.

O livro é narrado em primeira pessoa e é dividido pelo o ponto de vista dos dois personagens principais, Garrett e Hannah.
Elle Kennedy me ganhou completamente, após ler “O Erro” (sim, eu comecei pelo livro 2 haha), não hesitei e já fui correndo atrás do “O Acordo”. Com sua narrativa leve e engraçada, Elle consegue nos envolver num turbilhão de emoções, ela é fantástica. O livro contem personagens bem construídos e cativantes e um enredo que aborda temas pesados como abuso sexual, violência doméstica e consumo de drogas. Porém, mesmo com assuntos um tanto pesados, Elle consegue juntar esses temas com uma narrativa bem construída e nos envolver de uma forma tão natural, que é impossível tirar os olhos das páginas. Cada personagem tem a sua camada de drama, com a família, com o passado, com o futuro, com traumas, com agressões e abusos, que conforme os capítulos vão passando, mais você se vê tocada e apegada aos dois personagens principais.


Garrett ergue a mão e afaga meu rosto com uma ternura infinita, e algo dentro de mim se rompe.Deixo escapar um suspiro trêmulo. “Estou quebrada, e queria que você me consertasse.” ***[...] porque não importa o que tenha acontecido no passado, não importa quantas cicatrizes ainda carregue daquele calvário, não tenho um pingo de dúvida de que Hannah Wells não está quebrada. 

O romance entre Hannah e Garrett foi simplesmente encantador! A amizade entre eles foi uma coisa tão natural, as birras, as gracinhas, as brigas e as provocações entre eles são a cereja do bolo. A química entre os dois é evidente e apaixonante. Garrett é aquele personagem surpreendente e apaixonante, ele é aquele cara que faz o tipo garanhão, convencido e bad boy, mas que debaixo de tudo isso, tem um cara atencioso, doce, respeitoso e muito responsável. Ele não tem um bom relacionamento com o pai - que é um famoso jogador de hóquei -, que vive o pressionando e eles vivem em pé de guerra. Garrett faz de tudo para não ser comparado a ele. A autora aborda a intriga familiar de uma forma tão profunda, que é impossível não se sentir tocada. 
Já Hannah, após o trauma vivido na adolescência, ela não se deixou cair, levantou a cabeça e seguiu em frente, mesmo que às vezes, as lembranças ainda voltam a sua cabeça. Deixar os pais, foi a coisa mais difícil, pois não estão passando por uma fase financeira muito boa e se senti mal deixando eles pra ir viver na cidade grande. Totalmente esforçada, inteligente e dedicada, Hannah corre atrás dos seus sonhos e para que num futuro próximo, ela  possa ajudar os pais.

Lembra o que você me disse no dia de Ação de Graças? Que o seu pai não merece a sua raiva e a sua vingança? Essa é a melhor vingança, Garrett. Viver bem e ser feliz é o jeito de superar as merdas que ficaram no nosso passado.

Os personagens coadjuvantes como os amigos do Garrett e os amigos da Hannah, também  são de extrema importância, dando um toque a mais deixando a história bem mais divertida e encantadora. A união, a lealdade e a cumplicidade que existe entre os personagens é uma das coisa mais legais da narrativa, me deixou totalmente apegada a eles. A mensagem que o livro me deixou e que achei super legal da história é que muitas vezes a gente julga as pessoas por sua aparência, antes mesmo de conhece-la. 
Como a maioria dos livros New Adult costuma ter cenas de sexo, achei super legal que o sexo não é o centro da história, ele aparece na medida certa, sem exageros, o que não acontece com  muitos outros livros do gênero, que acaba tendo só sexo e conteúdo nenhum. Finalmente achei um New Adult que me cativou de verdade. Simplesmente me apaixonei pelos dois livros da Elle Kennedy e não vejo a hora de ler o próximo livro da autora!

Passo os braços em volta dele e o aperto com força contra mim, e é tudo tão familiar, tão maravilhosamente perfeito, que o amor em meu coração transborda e arde em meus olhos.


Com toda certeza, “O Acordo” entrou para a minha lista de livros favoritos, terminei a leitura e fiquei com gostinho de quero mais! Para quem não sabe, “O Acordo” é o primeiro livro da série “Amores Improváveis”, seguido de “O Erro”, ambos publicado pela Editora Paralela.
Cheio de dramas, humor e cenas hot na medida certa, "O Acordo" é aquele tipo de livro que você fica encantada do começo ao fim. <3





#MomentoSérie: Shadowhunters!

Resultado de imagem para shadowhunters tv show

Hey, leitores!
Como vai vocês?
Reparei que faz tempo que não trago essa TAG aqui no blog e como ultimamente ando numa fase viciada no Netflix, então, decidi trazer para vocês o meu novo vicio: Shadowhunters.
Sim, eu estou viciada. Sim, podem me julgar. Mas, falando sério, eu tenho certeza que quando eu  terminar esse post pelo menos um de vocês vai ficar com vontade de assistir um episódio para matar a curiosidade e, se você já assistiu um e mesmo assim não gostou, tente até o episódio três. O episódio três é mara, hahaha.
Bom, e pra quem não conhece a série (como assim?!), mas conhece os livros ou não conhece os livros e conhece o filme ou simplesmente nunca ouviu falar, fique tranquilo, vou apresentar à vocês!
Shadowhunters é uma série americana, baseada em Os Instrumentos Mortais (The Mortal Instruments), da autora Cassandra Clare. A série é uma segunda adaptação dos livros, pois é, isso mesmo, SEGUNDA adaptação, a primeira foi o filme lançado em 2013, Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos, que infelizmente (digo infelizmente, porque amei o filme) flopou. Mas, para a felicidade dos fãs, ou não, no dia 30 de março de 2015 foi anunciada a criação da série. Os fãs foram a loucura e houve muitasss críticas, tanto positiva, quanto negativa. (Apesar que as críticas continuam até hoje... normal, né?! rs)
A maioria queria a sequência do filme com os atores do filme (Lily Collins e Jamie Bower), mas Cassandra Clare deixou bem claro que não iria opinar na escolha do cast e que os atores do filme não estariam presentes, mas sim, atores novos. Estrelado por Katherine Mcnamara (Maze Runner: Prova de Fogo), como Clary Fray e Dominic Sherwood (Academia de Vampiros: O Beijo das Sombras), como Jace Wayland/Lightwood/Morgenstern/Herondale (são tantos sobrenomes que a gente até se perde haha). Além de Matthew Daddario (Alec Lightwood), Harry Shum Jr. (Magnus Bane), Emeraude Toubia (Izzy Lightwood) e Alberto Rosende (Simon Lewis) , que completam o elenco.
A série estreou em 12 de janeiro de 2016 nos Estados Unidos, pela Freeform e dia 13 de janeiro no Netflix, que comprou os direitos, tornando a série uma das originais da Netflix e disponibilizando um dia após a estreia norte-americana o primeiro episódio e, os episódios seguintes, divulgados em uma base semanal.

Resultado de imagem para shadowhunters gif

Minha opinião: Primeiro de tudo, sim, eu li os livros. E, sim... eu amei a série. E concordo com a maioria que a série é bem diferente em alguns pontos, mas nada que a faça ser ruim, como vejo muitas pessoas dizendo por aí. O que posso dizer?! Gente, é uma adaptação, é claro que não vai ficar 100% parecido com o livro, nem o filme ficou. E, creio que algumas diferenças, foram justamente pelo fato de já ter o filme, ia ficar muito parecido e não ia ter novidades. Ao meu ver, os roteiristas quiseram causar surpresa aos fãs - e conseguiram. Mas, na real, do fundo do meu coração, eu amei a série e tem tudo para dar certo, na verdade já deu, já que a segunda temporada já foi confirmada e já tem data de estréia, 2 de Janeiro de 2017.
A minha maior felicidade é ver que está acontecendo, sabe? Pra quem achava que só ia ficar no filme, saímos no lucro! A série despertou a esperança de que vamos ver os outros personagens que a gente tanto amou durante a leitura... como a Maia, Rainha Seelie, (meu amado) Sebastian e tantos outros! Tem como não amar essa série?!

O elenco: O elenco foi o que causou mais críticas e pra mim, eles foram me surpreendendo a cada episódio. Tenho que ser sincera, que quando assisti estava lendo Cidade de Vidro e depois de ver o cast, só consegui imaginar eles como os personagens. Eu gosto da Lilly e do Jaime, mas o restante do cast do filme eu não curti muito. Os atores da série conseguiram chegar mais perto do que eu imaginava. Katherine Mcnamara teve bastante crítica, porém achei ela um amorzinho e tenho que defender ela, a dublagem do Netflix acabou com ela, sugiro que assistam legendado, ela é uma graça e mesmo com cara de atriz da Disney, gostei bastante dela como Clary. E o cabelo? P-e-r-f-e-i-t-o! Dominic Sherwood é o Jace, ele é britânico, já me ganhou aí. E o mais curioso de tudo, Dom tem heterocromia e nos primeiros episódios não deu pra perceber muito bem, provavelmente colocaram lente, porque parecia que os olhos eram da mesma cor, mas nos últimos episódios deu para perceber e.. UAU, um olho de cada cor deu um charme a mais no personagem! (E eu já disse que ele é lindo de morrer?! Haha). O OTP (#Clace) tem uma química maravilhosa, não tem nem como negar!
 Alberto Rosende interpreta o Simon, não conhecia o ator, mas ele foi o melhor Simon que poderiam escolher, primeiro, ele leu os livros (aparentemente, acho que só ele e a Kat que leram, o restante não tenho certeza rs), segundo, ele é muito Simon, totalmente engraçado, tem aquela carinha de gueek e é totalmente fofo, rs. E a cena que ele vira vampiro? (Sim ele vira vampiro na primeira temporada), realmente mostrou o grande ator que ele é. Gostei da Emeraude Toubia também, ela interpreta a Izzy Lightwood, ela é absurdamente linda e sexy e tudo se completa com Matt, que é muito parecido com a descrição feita do Alec  no livro e Harry Shum Jr., que é tipo a cereja do bolo, e ambos (#Malec), ficaram tão cuties juntos, praticamente o que mais agradou aos fãs. Ah, e não posso deixar de citar o Alan Van Sprang, como Valentim/Valentine, que vilão, totalmente maravilhoso e absurdamente louco, ele ficou incrível no papel de Valentim.

Resultado de imagem para shadowhunters gif
Resultado de imagem para shadowhunters gifResultado de imagem para shadowhunters gif
Resultado de imagem para shadowhunters gif
Resultado de imagem para shadowhunters gif
Resultado de imagem para shadowhunters gif
Resultado de imagem para clace shadowhunters gif

Sobre o roteiro: Como disse anteriormente, tem algumas coisas que ficaram bem diferentes, mas isso é bem claro para mim, os roteiristas queriam renovar, mudar o que deu errado nos cinemas. E, ao me ver, eles foram super bem. Cada capítulo que assistia, mesmo sabendo exatamente a história toda, cada capítulo tinha uma novidade, o que deixou de certa forma, mais excitante. O que é bem legal também, é que roteiro é bem atual, já que na época que os livros foram escritos, não havia essa tecnologia toda de iPhones e aplicativos como é hoje em dia, haha. Os figurinos ficaram demais, principalmente os da Izzy e do Magnus, tipo, fantásticos! As runas ficaram bem melhores do que as do filme, ficou mais com aspecto de cicatriz, não de tatuagem. Os efeitos visuais, nos primeiros episódios, achei meio exagerado, muitas luzes e cores, porém os efeitos foram se adaptando, a mudança é bem visível nos últimos episódios. Ah, e os efeitos da magia do Magnus? Bem brilhante, aí sim ficaram perfeitas, bem a cara dele. A fotografia é incrível, e os demônios, lobos e vampiros ficaram incríveis!
O legal de série é que eles podem abordar muitos assuntos, personagens e o universo criado pela Cassandra Clare de formas inimagináveis e isso pra mim é maravilhoso, tem tudo para dar certo e ir longe! Para a alegria de alguns (a minha total *-*) A audiência da 1º temporada foi tão boa e alta, que 2º temporada já está sendo gravada, até onde sei já estão gravando o episódio 6. A próxima temporada, ao contrário da primeira, que só teve 13 episódios, terá 20, o que comprova que a primeira temporada foi mais um teste pra ver se ia dar certo, e pelo que o vimos, deu mesmo! A 2º temporada já tem trailer e é bem visível como a produção investiu mais nos efeitos visuais, a mudança é absurda!
Separei pra vocês os dois trailers, o da primeira e segunda temporada, vejam:

1º temporada


2º temporada

E ai, o que acharam?  Estou bem ansiosa pra ver a segunda temporada e pelo que vi, parece que eles vão seguir bem o enredo do segundo livro, Cidade das Cinzas e um pouco de Cidade de Vidro... Tô bem curiosa para ver como vai ficar! E vocês, já assistiram Shadowhunters? O que acharam? Deixem os seus comentários ^-^

Um beijo,
Ana Gomes xx

#FallenMovie: Novo Still, pôster e suposta data de lançamento!

Fala, anjos!
Após a maratona de notícias, fotos e enfim, o esperado trailer de Fallen, setembro passou a ser um mês memorável para os fãs da série Fallen *-*
Agora, a pergunta que não quer calar: quando que irá lançar nos cinemas?! Pois é, ninguém sabe. Temos previsões, nada confirmado, o produtor disse que sai ou em novembro deste ano, ou em fevereiro de 2017. Pelos rumores, tudo indica, que irá sair agora em novembro, pelo menos nos Estados Unidos, que está previsto para o dia 9 de novembro. A confirmação dessa data, veio através do site MovieNews, que além de confirmar a data, divulgou vários stills do filme, confira:





Ai, gente... Quanto mais vejo sobre essa adaptação, mais eu fico apaixonada! Com todo o drama que foi pra divulgar o trailer, que acabou sendo vazado sem ao menos ser o original, que foi lançado semanas depois pelo canal oficial da Lauren Kate, agora, temos essas fotos e uma data: 9 de Novembro. Porém, infelizmente, a data é só para EUA. Será que por um milagre, eles acabam lançando aqui no Brasil também, ou até quem sabe uma estréia mundial?

ATUALIZADO:

Gente do céu, olha este pôster *w*

Exibindo FullSizeRender.jpg

O que vocês acharam, anjos?
Deixem os seus comentários (:
Beijos e até os próximos capítulos de Fallen, rs.
;* 

Resenha: "O Erro", Elle Kennedy


O Erro

Autora: Elle Kennedy
Editora: Paralela
Título Original: The Mistake: An Off-Campus Novel
Gênero: Jovem Adulto/ Literatura Estrangeira/Romance
Páginas: 279
Ano: 2016
Sinopse: Logan parece viver uma vida de sonhos. Com um talento incrível para jogar hóquei e um charme inato para conquistar mulheres, ele é uma das maiores estrelas da universidade de Briar. Mas por trás do característico sorriso maroto, ele esconde duas grandes angústias – a primeira, estar apaixonado pela namorada de seu melhor amigo. A segunda, saber que sua vida, após a formatura, se tornará um beco sem saída. 
Um dia, por acaso, ele conhece Grace, uma garota tão encantadora quanto intrigante. Tudo nela parece ser original e deliciosamente contraditório – tímida, mas ao mesmo tempo vibrante. Doce, mas ao mesmo tempo forte e confiante. A cada encontro, Logan se vê mais e mais envolvido. Mas um grande erro colocará o relacionamento desses dois jovens em risco.
Agora, Logan terá que se esforçar para reconquistar Grace – nem que para isso ele precise amadurecer e encarar de frente as suas questões mais profundas e doloridas.


Grace é uma caloura de 18 anos - que como toda caloura - quer se divertir, curtir a vida e perder a virgindade. Cansada de sua vida monótona, ela topa sair mais com a sua melhor amiga louquinha, Ramona, que é o oposto de Grace, baladeira, cheia de si e pega geral. Disposta a mudar, ela aceita o pedido de Ramona de sair e ir pra uma festa. Porém, Grace tem um grande problema: quando fica perto de caras lindos e fortes, ela fica nervosa e começa falar várias coisas aleatórias, realmente fala pelos cotovelos, o que acaba fazendo com que os caras saiam correndo. E, foi exatamente o que aconteceu na festa, após fazer um loiro lindo sair correndo com sua falação desenfreada,  o máximo que conseguiu foi esbarrar com uma loira saindo do banheiro e o lindo e maravilhoso John Logan, jogador de hóquei, saindo logo atrás, fechando a baguilha, que conveniente. Ela queria ser a menina, não por ser o John Logan, a propósito, poderia até ser, mas não era isso, ela queria viver aquilo, queria curtir e perder a virgindade. Até que, por ironia do destino, ou não, no outro dia, Logan aparece em sua porta por engano e ai, a vida de Grace começa mudar de uma hora para outra.

Por outro lado, temos Logan, um típico cara de faculdade americana, lindo, alto, sexy, gostoso, galinha e que pega geral e além de tudo isso, o cara é jogador de hóquei e é absurdamente bom em sua função. Entretanto, nem tudo é perfeito, Logan está vivendo um drama daqueles: ele acredita estar completamente apaixonado por Hannah, que é a namorada do seu melhor amigo, Garret. Se sentindo um lixo e o pior amigo da face da terra, ele começa afogar as mágoas indo em todas as festas possíveis, bebendo todas e trasando com todas as garotas que se oferecem pra ele. Além da sua obsessão pela namorada do seu melhor amigo, ele tem que aceitar que ele só tem mais um ano de liberdade, já que quando terminar a faculdade ele terá que voltar para casa e assumir algumas responsabilidades, o que faz o seu sonho de se tornar um jogador de hóquei profissional impossível. Porém, sua vida muda a partir do momento que ele vai atrás de um amigo de fraternidade e bate por engano na porta de  Grace. 

 "O que você está fazendo?" - sussurro. "Você estava me olhando como se quisesse um beijo." Seus olhos azuis ficam semicerrados. "Então, estava pensando em fazer isso."

A atração entre Grace e Logan é inevitável, mas Logan acaba deixando Grace meio que insatisfeita logo no primeiro contato (se é que vocês me entendem), e Logan é o tipo de cara que não pode ter seu ego infligido que quer reparar as coisas, então, totalmente decido, ele vai atrás de Grace para fazer o que não fez na primeira vez, deixá- satisfeita. A partir daí, os encontros são constantes e a pegação mais constantes ainda. Porém, mesmo a pegação sendo maravilhosa, Logan se sente culpado, já que tem sentimentos por outra pessoa e acaba terminando com a Grace no momento errado e na hora errada, causando um tremendo constrangimento para Grace. Após levar um fora, Grace fica absurdamente magoada, já Logan, se vê arrependido e enxergar que Grace é tudo que sempre quis ter, então decide correr atrás dela e pretende reconquistá-la, nem que pra isso tenha que se rastejar. 

[...] Quer um conselho? Não desperdice seu tempo pensando nas coisas idiotas que gente idiota faz.""É meio difícil quando as coisas idiotas são sobre você." Mas sei que ele tem razão.

O livro é narrado em primeira pessoa e é alternado entre capítulos de Grace e Logan. Eu particularmente gosto quando o livro tem o ponto de vista dos dois personagens principais, deixa a sensação de estar mais envolvida com a história. Uma pequena observação, a autora usa em seus diálogos as "aspas", o que algumas pessoas não gostam, já eu, não vejo problema algum. 
Elle Kennedy tem uma escrita fácil, uma narrativa leve e engraçada, tanto que terminei o livro em dois dias de tão envolvente e cativante. Sabe aquele livro que você pega, fixa os olhos e não quer parar de ler? Então, "O Erro" é assim, de verdade. Tenho que confessar que fiquei apaixonada pelo livro, eu não conhecia a série, conheci graças a Editora Paralela (muitíssimo obrigada por me apresentar essa maravilha!) que me enviou o livro. Não li o primeiro livro, o que não é problema, pois não é sequência e não me senti perdida enquanto lia, pelo contrário, só me deu mais vontade de ler o primeiro livro, "O Acordo", que já comecei, então se você quiser começar por este, não tem problema.

"[...] estamos alto o suficiente pra minha cabeça se espatifar feito uma melancia quando bate no chão""Nossa. Você não é muito boa de romance."Eu o fito, embasbacada. "Você está tentando ser romântico? Tem algum fetiche por meninas vomitando em cima de você?"Logan começa a rir. "Você não vai vomitar." Para meu alívio, ele me abraça mais apertado. O calor de seu corpo é uma distração na minha atual situação. 

Eu me apaixonei pela livro não só pelo romance em si, mas sim pelo conjunto todo, não é só Logan e Grace, tem os personagens secundários também, que é impossível não cair de amores por todos eles! Os amigos de Logan são completamente lindos do morrer, é claro, mas acima de tudo, hilários. Eu ri de chorar e Deus, eu tenho o costume de ler no ônibus/metrô e pra segurar a gargalhada?! Juro pra vocês, quando não estava em lugares públicos esse livro arrancou várias gargalhadas gostosas de mim, foi inevitável. A amizade entre eles é única e incrível, o modo  como os caras mesmo estando bravos uns com os outros conseguem voltar a se falar e esquecer os ressentimentos é ao mesmo tempo engraçado e fantástico.

"Somos o comando Lorris."Estou chocada.Meu Deus.Lorris? Tipo, Logan mais Morris? Eles viraram uma Brangelina?"Como assim?!", explodo. "Vocês são melhores amigos agora?"

E o que me surpreendeu nesse livro, é que além do romance, o excesso de sexo e muito bom-humor, a autora abordou - muitíssimo bem por sinal - dramas familiares. Neste livro, temos Logan vivendo um drama com o pai de rasgar o coração e de vários momentos, tem um neste livro que fez aparecer um nó na minha garganta e lágrimas nos meus olhos, simplesmente tocante, me senti tão envolvida, que me vi sofrendo junto com ele. Vemos também Grace, a garota que tinha uma vida monótona, que vive na sombra da sua amiga e aceita tudo que ela faz, tem uma mãe que quer que ela seja uma garota normal e baladeira e um pai que ela ama, porém sempre a privou de muitas coisas. Enfim, mesmo que o livro seja classificado como adulto, por conter cenas de sexo e tal, vi conteúdo, não somente sexo, vi dramas familiares, a busca pelo seu lugar no mundo, de se encontrar, de ser quem você realmente é; vi companheirismo, traições, decepções e recomeços. 

Agora é Grace que está gargalhando, porque estou fazendo cócegas nela sem parar. Enquanto se contorce na cama e tenta escapar de meus dedos implacáveis, chego a várias conclusões.Um: nunca me divertir tanto com uma menina na vida.Dois: não quero que isso acabe nunca.E três...Acho que posso estar me apaixonando por ela.

Amei demais a história de Grace e Logan, cada detalhe, cada momento, cada risada. Simplesmente uma experiência maravilhosa, com certeza entrou para a minha lista de livros favoritos! <3
Para quem gosta de romances com toque de realidade, com certeza irá amar a série Amores Improváveis, que tem dois livros, "O Acordo" e "O Erro", a sequência está prevista para 2017.